26 de setembro de 2011

A MULTIPLICAÇÃO DA GRAÇA

Alguns de nós já conhecemos a narrativa que encontramos em João 6.1-15 sobre a multiplicação dos pães e peixes que Jesus realizou. Este foi o único milagre de Jesus que aparece em todos os quatro evangelhos (Mateus, Marcos, Lucas e João), com certeza podemos aprender muitos ensinamentos com esse conhecido milagre de Jesus, mas gostaria de compartilhar o que pude aprender sobre a pessoa de Jesus, de como Ele agiu através das circunstâncias e por meio das pessoas quando multiplicou os pães e peixes para alimentar a multidão.

É interessante observar como cada personagem que aparece nesta narração agiu e como demonstraram quem Jesus era em suas vidas e o mais surpreendente é observar como Jesus demonstrou sua graça grandiosa para cada um deles.

O relato nos diz que uma numerosa multidão o seguia, essa multidão percorreu um longo caminho para estar com Jesus, ele ensinou sobre Deus por algum tempo para eles e mesmo sabendo que a multidão o seguia somente porque viram os sinais miraculosos que Ele havia realizado aos doentes, e provavelmente estariam o seguindo por terem interesses no que Ele poderia oferecer em favor as suas necessidades, Jesus se compadeceu e quis alimentá-los. A Palavra de Deus diz que todos ficaram satisfeitos após se alimentarem e ainda sobraram 12 cestos com pães e peixes. Quantas vezes eu e você não procuramos a Jesus por interesses ou o seguimos pelo simples fato de poder obter algo favorável a nós? Jesus fez questão de mostrar que Ele teve a iniciativa de suprir uma necessidade do povo independente se eles mereciam ou não. Ele mostrou que não importa o quanto ele pode distribuir a sua graça a nós, Ele sempre tem o suficiente para dar mais, porque Ele não é mesquinho.

Agora, ao olhar para os discípulos podemos concluir que quando Jesus pergunta para Filipe onde comprariam alimentos para a multidão, Ele já tinha algo pensado e planejado, Jesus sabia o que faria e qual seria o resultado, e como já lemos, Ele só queria testar Filipe, e Filipe por sua vez, demonstrou que só conseguia ver pelo ângulo do mundo natural (pelo óbvio), ele não fazia idéia do que Jesus era capaz de fazer, ele não cria o suficiente para dizer: "Não temos como alimentar a multidão, mas Tu podes providenciar se quiseres". André o outro discípulo que aparece na narrativa, ele apresenta o rapaz com o seu lanche e tenta provar que aquilo não era o suficiente para alimentar tantas pessoas. Mas como já lemos, para o propósito do Senhor aquele "lanchinho" era o suficiente. Quantas vezes questionamos a Deus, como Filipe e não cremos que Ele já tem planejado o melhor para as nossas vidas? Ou quantas vezes agimos como André tentando provar que a nossa necessidade ou o nosso problema é maior do que o nosso Deus? Jesus sabia o que Ele estava por fazer, não havia motivo algum para pânico ou insegurança devido ao problema e Ele realizou o milagre de forma bem organizada e de forma abundante.

O último ponto que gostaria de destacar, seria o rapaz que deu o seu lanche a Jesus. Naquela época o "pão de cevada" que o rapaz carregava, era o pão mais barato e o mais consumido pela classe mais pobre da sociedade, os dois peixes que carregava, eram peixes pequenos e salgados e alguns estudiosos comentam que provavelmente aquele rapaz era um escravo. Não temos detalhes sobre a ação e reação do rapaz, mas pelo que lemos, ele não questionou a Jesus, ele não duvidou do que Jesus era capaz de fazer e não negou ou ficou dando desculpas quando Jesus quis usá-lo para dar a provisão do que a multidão precisava naquele momento. No final deste texto observamos que Jesus foi glorificado, pois todos reconheceram (reconheceram naquele momento pelo menos, mesmo muito deles não terem se convertido verdadeiramente e mais tarde terem abandonado a Cristo) que Ele era aquele que viria para livrá-los de seus pecados ou das opressões que sofriam na época, eles chamaram a Jesus de "o profeta que deveria vir ao mundo" (v. 14).

Será que você é como a multidão que segue a Jesus somente para obter algo e não com a motivação de adorá-lo por quem Ele é simplesmente? Ou será que você é como os discípulos que vive questionando, duvidando sobre como a graça de Deus pode alcançá-lo ou como a Sua vontade pode ser a melhor para você? E por fim, será que você é como aquele rapaz que mesmo não podendo entender todos os porquês da vida, está pronto a obedecer a Jesus e servi-lo para o benefício da igreja, família ou amigos, para que possam o conhecer e o reconhecer como aquele que veio para nos salvar e ser nosso Senhor e como aquele que é cheio de graça e bondade e por isso, merecedor de toda glória? Assim como Jesus fez com a multidão, Ele quer alimentar a sua mente com a Palavra dele e está pronto a suprir suas necessidades quando elas forem reais, não porque merecemos, mas porque ele é gracioso e quer ser glorificado através das nossas vidas.

"Porque a tua graça é melhor do que a vida, os meus lábios te louvam." Salmo 63.3